Consumo X Consumo Consciente X Não Consumo

Pode até parecer contraditório, eu que trabalho com sustentabilidade vir aqui apoiar o consumo. Mas eu não estou aqui para incentivar o consumo desenfreado muito menos o capitalismo selvagem, estou apenas trazendo uma reflexão que me pegou bastante nos últimos meses.

Ao longo desses 5 anos empreendendo e participando de muitos debates, o que eu percebi é que falar em “consumo consciente” é excludente, e falar em “não consumo” é pior ainda. Simplesmente porque não devemos pensar apenas no produto, e sim, em tudo que envolve fazer coisas para vender, sobretudo no nosso país, Brasil.

Quando eu fiz o vídeo falando da atriz que criou uma marca, eu citei uma pesquisa que dizia que 83% dos empreendedores resolveram empreender por falta de oportunidade de trabalho. Claro que nem todos trabalham com produtos, muito desses vendem serviços. Mas, se essas pessoas empreendem pra sobreviver e a gente quer uma sociedade igualitária, propagar o “não consumo” não seria contraditório? Do que essas pessoas vão sobreviver se ninguém comprar o produto delas?

Outra coisa também que acredito ser um caminho menos excludente, é pensar sobre “educação de consumo”, refletir sobre o que é essa ação que está presente no nosso cotidiano de diversas formas.

Não é só sobre roupa, é sobre tudo que precisamos consumir pra sobreviver.

Se começarmos a pensar que: falar sobre consumir das pessoas certas pode ser mais eficiente do que falar em consumo consciente, acredito eu, que conseguiremos atingir a consciência do consumo por outras vias.

A educação e a informação por uma perspectiva nacional e empática pode ser mais agregadora e transformadora a longo prazo.

O que vocês acham disso? Esse tema é muito polêmico, eu sei. Mas precisamos refletir sobre isso com seriedade, sem elitismos, com muita consciência de classe e território.

Designer de moda especializada em Upcycle, Ecofeminista e Ativista. Pós-Graduanda em Ciências humanas. Radical, Questionadora, Utópica e Rebelde.

Designer de moda especializada em Upcycle, Ecofeminista e Ativista. Pós-Graduanda em Ciências humanas. Radical, Questionadora, Utópica e Rebelde.